fbpx
e-commerce

Guia para começar um e-commerce de sucesso [2020]

O empreendedorismo está em alta e cada vez mais, as pessoas investem tempo e dinheiro em seus próprios negócios. Seja por convicção, desejo de ter seu próprio negócio ou até por necessidade, o número de pessoas que querer começar um e-commerce tem disparado nos últimos anos. A a pandemia de 2020 só veio confirmar e acelerar este processo que já havia iniciado em outros países.

Se você chegou até aqui, imagino que esteja iniciando um novo negócio ou querendo desenvolver melhor o seu e-commerce, assim sendo, continue lendo nosso guia e não se esqueça de aplicar o que aprender aqui.

Uma única coisa bem vendida é melhor do que um monte de coisas mal vendidas

Na hora de escolher o que vender, muitas pessoas se perdem e começam a vender um pouco de tudo. Roupas, joias, brinquedos, utensílios de cozinha… tudo em um mesmo local, transformando o e-commerce em uma verdadeira feira do nada e minando as possibilidades de crescimento da loja. Aí você pode pensar, “mas a Amazon faz isso”. Claro, você não está errado. A diferença é que a estrutura que a Amazon possui hoje, assim como a sua marca mundialmente reconhecida, tornam isso possível. É como dizem, sonhe grande, mas comece pequeno.

Quando a sua loja não tem um propósito, ela é dificilmente lembrada por um cliente quando este deseja comprar algum produto específico. Quando você quer comprar um smartphone, por exemplo, você provavelmente imagina alguma loja de eletrônicos e dificilmente você vai atrás desse smartphone em uma loja como a C&A, ainda que ela venda celulares.

Um ponto principal aqui é: Para que gastar tempo e dinheiro, comprando, estocando e divulgando produtos que seu cliente não vai comprar na sua loja? Tenha foco e suas chances de ter sucesso serão maiores.

Escolhendo sua plataforma para começar seu e-commerce

Começar um e-commerce é sem dúvidas um passo ao futuro dos seus negócios, entretanto as opções de plataformas para começar a vender são tantas que vão te deixar perdido.

Plataformas como Mercado Livre, eBay e enjoei, podem parecer interessantes em um primeiro momento, mas as taxas cobradas por vendas podem estragar seus planos. Além das taxas, essas plataformas não destacam a sua loja e o seu produto passa a competir com milhares de produtos similares, fazendo você brigar por preço. Começar um e-commerce próprio te dá a vantagem de ter diferenciais. Aqui você deixa a briga por preços de lado e pode focar em oferecer uma experiência de compra completa.

Algumas plataformas podem te ajudar a montar a sua loja de maneira rápida e eficiente, assim você começa a vender logo. Mas lembre-se, se você não tem conhecimento nenhum com e-commerce, a melhor estratégia é contar com a ajuda de um profissional. O custo de um projeto fracassar é muito maior do que o custo de um profissional que vai lhe auxiliar nesta empreitada.

Concluído os avisos, vamos às plataformas:

Woocomerce

O Woocomerce é sem dúvidas um dos favoritos para começar um e-commerce pela praticidade, velocidade de implementação e infinidade de extensões disponíveis devido à sua gigantesca comunidade de desenvolvedores ao redor do mundo. Entretanto, o Woocomerce não é uma plataforma de e-commerce e sim uma extensão para o WordPress, o CMS (Sistema de gerenciamento de conteúdo) mais famoso do mundo. Isso não faz dele menos efetivo, pelo contrário. Ao juntar as possibilidades do WordPress com o Woocomerce, você passa a ter uma loja completa, desde a adição dos produtos até o checkout com qualquer forma de pagamento existente, incluindo o famoso boleto brasileiro. Por ser um gerenciador de conteúdo, as estratégias de marketing para a sua loja ficam mais fáceis de serem implementadas, principalmente levando em consideração a crescente relevância do InBound Marketing que é justamente baseada em conteúdo.

Prestashop

O Prestashop não é uma extensão e sim uma plataforma de e-commerce dedicada, ainda que assim como o WordPress, seja uma plataforma de código aberto, o que significa que não é necessário pagar uma licença para usá-la. Esta poderosa plataforma, lhe permite ter o controle total da sua loja, no cadastro de produtos, controle de clientes, processo de venda e envio de produtos. Não bastando, o Prestashop permite a personalização completa da sua loja e sua utilização é bem amigável para usuários inexperientes. Esta plataforma é tão completa que é praticamente desnecessário utilizar extensões ainda que haja uma infinidade delas.

Magento

No que diz respeito a e-commerce, o Magento é sem dúvida uma das plataformas mais robustas disponíveis no mercado. Muito indicada para lojas de grande porte, o Magento se destaca por ser altamente personalizável e uma das plataformas mais seguras da atualidade, não atoa, grandes lojas como Riachuelo, Droga Raia e Pernambucanas utilizam o Magento como sua plataforma de e-commerce. Em 2018 a Adobe comprou a plataforma que possui a versão de código aberto, Community e a versão de licença paga, Enterprise.  Diferente das plataformas anteriores, o Magento requer um conhecimento técnico muito maior e por isso, pode não ser uma boa opção para começar um e-commerce. Por precisar de mais especialização, o custo de desenvolvimento e manutenção da plataforma aumenta, sendo assim melhor indicada para lojas maiores ou que tenham um bom capital inicial.

Drupal

Se você já tem um bom conhecimento de desenvolvimento, o Drupal pode ser a sua escolha. Assim como o WordPress, o Drupal é um CMS. Ainda que não seja a opção mais comum para CMS, com menos de 4% dos sites utilizando essa plataforma, o Drupal atende muito bem as expectativas de quem precisa de um e-commerce completo. Apesar de ser mais complexo e consequentemente ter um desenvolvimento um pouco mais caro que o WordPress, o Drupal sai na frente no quesito segurança. A lógica é simples, se alguém mal intencionado vai desenvolver um malware, por que fazer isso para apenas 4% dos sites quando se pode atingir quase 60% deles? O Drupal além de completo, é mais flexível que seu concorrente nas personalizações, o que o torna uma opção e tanto para começar seu e-commerce.

Open Cart

Contendo um sistema de módulos excelente e intuitivo, o OpenCart é uma opção com mais recursos de e-commerce que o Woocomerce, porém ele fica bem abaixo no Prestashop por exemplo. Esta plataforma é de código aberto, assim como os outros e ainda que não seja exatamente popular, é uma ótima opção para iniciar uma loja. O problema aqui fica devido aos temas ou visuais dos sites disponíveis. Por não ser muito popular, tudo parece um pouco “velho”. Claro que você sempre pode fazer seus próprios temas do zero e contornar este problema.

Além das plataformas citadas, existem muitas outras disponíveis no mercado, como AbanteCart, CubeCart, osCommerce, etc. Todas elas possuem pontos positivos e negativos, basta saber qual atende melhor a sua necessidade. Caso você não saiba, pergunte para um profissional, pois ele poderá te indicar a melhor opção para começar seu e-commerce.

As plataformas SaaS (Software as a Service)

Aí você deve estar se perguntando: Tá, mas e a Loja Integrada, Shopify, Tray e Nuvemshop? Não são Plataformas?

A resposta é, sim, são plataformas. A diferença aqui fica em relação ao modelo de negócio. Essas plataformas são SaaS (sigla para Software as a Service, ou Software como Serviço) em que você paga uma mensalidade para ter acesso a plataforma e vender seus produtos. Na prática é como se você alugasse uma loja em um shopping onde por meio desse aluguel você tem direito a utilizar este espaço enquanto estiver pagando.

A maioria das plataformas SaaS são muito boas e algumas dão inclusive acesso ao código fonte para você personalizar o seu site. A personalização tem sido um dos grandes problemas desse modelo de negócio, gerando um punhado de lojas iguais. Se você não tem conhecimento técnico e nem quer pagar alguém para a manutenção da sua loja, essa é a melhor opção. O seu custo aqui vai se resumir em uma mensalidade do plano que escolher além de taxas para cada produto vendido.

Acredito que com a modernização das plataformas SaaS, em um futuro próximo elas devem tomar o lugar das proprietárias. Hoje, como opinião pessoal, eu prefiro as plataformas On-Premises pela maior flexibilidade que ainda oferecem, o que nos dá uma liberdade muito maior de ações inclusive em relação ao marketing, hoje essencial.

Escolhendo um servidor de hospedagem para começar seu e-commerce

Pense na sua hospedagem como se ela fosse a sua casa onde você é o e-commerce. Se a sua casa está caindo aos pedaços, com goteiras para todo lado e buracos no chão, você estará sempre perdendo algum tempo remendando problemas. As pessoas até podem te visitar em uma primeira vez, mas ao se depararem com uma goteira em suas cabeças, provavelmente darão alguma desculpa e irão embora para não voltar mais. Bem assim é o mundo digital. Se o seu site está em uma hospedagem ruim, seu e-commerce vai travar, cair e irritar os usuários que vão sair e procurar o seu concorrente

Palavras-Chave no Domínio Principal

A cada ano o Google atualiza seus parâmetros de ranqueamento e assim, precisamos ficar atentos para não ficar para trás. Um dos parâmetros que o Google tem utilizado para definir a posição dos sites em sua lista de buscas é se o domínio em questão contém a palavra chave. Para exemplificar, imagine que uma loja chamada “Alegria” vende doces pela internet. Se ela utilizar um domínio “alegriadoces.com.br” a probabilidade de ranquear bem no seguimento de doces é maior. Claro, se você já tem uma loja funcionando e um domínio, você sempre pode analisar a viabilidade ou não de trocá-lo e assim, tomar a melhor decisão. Lembre-se que o ranqueamento é complexo e existem muitos fatores que vão influenciar de forma positiva e negativa, por isso, tenha bastante cuidado nessas etapas.

Tenha uma URL organizada

Sabemos que uma loja pode possuir produtos com variadas categorias e subcategorias. Mantenha isso de maneira hierárquica e o mais curta possível. Quanto mais próximo do domínio principal, melhor. Para exemplificar:

O domínio fictício (pelo menos enquanto eu escrevo) abaixo possui muitas pastas, tornando o endereço final muito longe do domínio principal.

https://roupasfofas.com.br/blusas/longas/femininas/blusa-azul.html

Já este domínio é mais curto e o endereço final fica mais próximo do domínio principal o que dá mais relevância para o Google. Nele está determinado o domínio principal, a categoria do produto e o produto em si.

https://roupasfofas.com.br/blusas/blusa-azul.html

Configure seu e-commerce no Google Search Console

Muito utilizado por especialistas em SEO, o Google Search Console permite que você analise todo o tráfego do seu site. Caso o desempenho do seu site não seja dos melhores, essa ferramenta lhe mostra o que está errado, permitindo assim, mais assertividade na hora de corrigir problemas.

Um passo indispensável é sem dúvidas enviar o seu sitemap para a ferramenta. Este sitemap é um arquivo xml que garante que todas as páginas do seu site serão encontradas pelo Google.

Uma dica aqui é enviar este sitemap para o Bing e o Yahoo. Ainda que o Google represente 97% de todas as buscas no Brasil, não podemos descartar os possíveis clientes que se encontram nos outros 3%.

Gráfico: Ferramentas de Busca

Cuidado com a estrutura das suas páginas

Certifique-se de que todas as suas páginas possuem uma estrutura adequada de títulos e subtítulos por meio das tags h1, h2, h3 e h4. Esta estrutura bem definida vai ajudar seus clientes a encontrarem exatamente o que estão buscando. Caso o seu site seja bagunçado e desestruturado as pessoas vão deixá-lo rapidamente e isso vai aumentar a taxa de rejeição do seu site no Google, jogando assim, sua loja para posições mais baixas. Sem contar que se os clientes estão saindo da sua loja, você está perdendo vendas.

Melhore suas páginas para aumento do clique orgânico CTR (CLICK THROUGH RATE)

Com um universo tão gigantesco de e-commerces, cada clique em um resultado do Google é extremamente disputado. A boa parte dos iniciantes comete o erro de apenas subir suas páginas sem configurar como elas aparecerão nas ferramentas de buscas e o que acontece é catastrófico, sem exageros. Vou explicar:

Quando uma página do seu e-commerce é mostrada em um resultado de buscas no Google, este passa a analisar se o usuário clicou ou não. Se as pessoas passarem a visualizar suas páginas nos resultados, mas não clicarem nelas, o Google entende que sua página não é relevante e passa a rebaixar sua posição nos resultados de busca, desta forma, sua loja vai estar tão longe da primeira página que será quase impossível alguém a encontrar de forma orgânica, obrigando você a pagar para ser mostrado.

  • Otimiza seu Meta Título e sua Meta Descrição

Por padrão o Google entende o como título a sua tag H1, entretanto muitas vezes essa não é a melhor opção para ser mostrada nos resultados de busca. Certifique-se de que você tem um meta título chamativo e organizado. Se você usa o Woocomerce por exemplo, uma boa solução para isso é utilizar o plugin Yoast SEO, através dele você consegue personalizar facilmente o Meta Título e a Meta Descrição de suas páginas.

Info Meta Descrição e Título
  • Inclua números nos seu Títulos

Informações como porcentagem de desconto ou até o valor de um determinado produto ajudam no ranqueamento do seu e-commerce, dando assim, a informação exata do que você está oferecendo, o que diminui o bounce rate, taxa de pessoas que entram e saem rapidamente da sua página sem efetuar ações dentro dela, também conhecida como taxa de rejeição.

Capriche na descrição dos produtos

Uma pesquisa do BuzzSumo e do Backlinko de 2019 revelou que a média de palavras das páginas mais bem ranqueadas no Google é acima de 1000, sendo assim, caprichar na descrição dos produtos te dará alguma vantagem sobre seus concorrentes que apenas cadastram os produtos de maneira genérica no e-commerce. Se você está começando um e-commerce e não pode contar com a ajuda de alguém para escrever longas descrições sobre seus produtos, selecione os produtos que você considera ter mais relevância para a sua loja. Produtos selecionados, faça boas e longas descrições sobre eles e assim garanta uma vantagem sobre seus concorrentes.

Velocidade é o toque final do seu e-commerce

De nada adianta ter um e-commerce bonito, responsivo e bem configurado se ele é tão lento para carregar que ninguém vai conseguir vê-lo. A velocidade é um dos fatores mais importantes em um e-commerce, tanto no seu processo de venda quanto no ranqueamento do Google. Se seu site demorar muito para carregar, as pessoas vão simplesmente desistir e assim, comprar do seu concorrente.

Aqui vão as dicas

  • Independente da plataforma que você escolheu para começar seu e-commerce, utilize temas leves. Lembre que o foco principal é vender e não ir parar em algum museu como o site mais bonito de todos os tempos.
  • Enxugue os códigos. Quanto mais denso for o código do seu e-commerce, mais recursos ele precisa para carregar, aumentando assim o tempo de carregamento. Se você está usando o Woocomerce, alguns plugins como o W3 Cache possuem a opção de compactação das linhas de código, apenas tome cuidado e faça um backup antes de aplicar as alterações pois elas podem “quebrar” alguns sites.
  • Cuidado com as imagens! Este é um grande problema de quem está começando um e-commerce. Pode parecer bacana pegar aquela câmera profissional do sobrinho, tirar aquela fotografia maravilhosa do produto e colocar ela no site para seu cliente babar. O problema aqui é que as fotos como são tiradas, são muito pesadas, exigindo assim, muito tempo para serem carregadas. Configure as imagens em um aplicativo como o Photoshop por exemplo e salve-as em tamanho apropriado. Imagens maiores que 200kb não são boas opções, afinal a cada dia mais e mais pessoas utilizam o smartphone para fazer compras e cá entre nós, a internet móvel em terras tupiniquins não é das melhores.
  • Não se esqueça de utilizar CDN (Content Delivery Network), pois eles são responsáveis por espalhar seu e-commerce por diversos servidores ao redor do globo. Na prática, seu e-commerce fica mais perto do usuário reduzindo o tempo de carregamento, afinal, independente de onde o usuário estiver, haverá um servidor mais próximo dele.

O papel das redes sociais no seu e-commerce

É nas redes sociais que você vai se conectar e interagir com seus clientes. Faça uma pesquisa sobre quais redes sociais são mais utilizadas por eles e marque sua presença. No Brasil, a rede social mais utilizada é o Facebook. Recentemente o Instagram tem ganhado muito espaço por aqui, tornando-se assim, uma rede essencial na sua estratégia, ainda mais agora que foi lançado o Instagram Shopping, recurso que permite marcar seus produtos nas fotos e levar seus clientes direto para a página de checkout do seu e-commerce.

Quando falamos de redes sociais, tenha sempre em mente que na maioria delas, as pessoas estão lá para se distrair, entreter e passar o tempo. Evite postar apenas anúncios de produtos e poste conteúdo de interesse do seu público, assim você gera engajamento com seus clientes que ficarão mais receptivos quando você postar algum anúncio.

Conclusão

Acredito que se você leu até aqui, essas dicas serão de grande ajuda para você começar o seu e-commerce do jeito certo. O mundo do e-commerce é muito denso e há ainda muitas coisas que não foram faladas aqui. Sempre que possível, conte com a ajuda de profissionais, assim você evita erros e faz o seu e-commerce crescer mais rápido, se destacando dos demais.

A Kraken possui profissionais preparados para você começar o seu e-commerce com o pé direito. Entre em contato com a gente e comece a explorar todas as possibilidades para o seu negócio na internet.

Bibiografia

Related Posts

Leave A Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.